American Idiot

Nesta semana de música/álbum conceitual, trago um CD de grande sucesso no início dos anos 2000 do rock, que critica o modo americano de ser, contando uma história. Estou falando do álbum “American Idiot” do Green Day.

Segundo Lucas Bakari:

“É quase sendo comum o fato de que até hoje o Green Day não conseguiu superar seu o maior sucesso. Aqui temos mais um exemplo de ópera rock, violentamente escrita para nao só alfinetar, mas colocar no fogo inúmeros valores e costumes da sociedade americana, particularmente durante governo do presidente George Bush, justificando as controvérsias e censuras geradas em torno da banda nessa era. A banda ja firmou que criar esse álbum foi uma típica atitude americana: comentar e protestar. A historia por trás das faixas, que já foi adaptada para os palcos da Broadway com a supervisão da banda e obtendo muito sucesso, segue a trajetória do anti-herói central, chamado Jesus of Suburbia. Movido pelo ódio que nutre da cidadezinha corrompida em que vive e da sociedade que lá habita, ele abandona a periferia em direção a cidade grande. A partir daí, outros personagens são introduzidos, como St. Jimmy, um rebelde lutador da liberdade e a misteriosa e quase anônima Whatsername, uma figura de “mãe da revolução” e uma potencial arqui-inimiga de St. Jimmy que logo encanta Jesus, evidenciando o contraste principal do álbum: ódio VS amor. Os acontecimentos se desenrolam a partir daí, levando o protagonista a ter que esconder qual caminho quer seguir: o da raiva cega e da auto-destruição, ou o do amor, da caridade e da esperança. Escutando o álbum completo, percebe-se que o personagem St. Jimmy, ao cometer suicídio metaforicamente, se revela como apenas uma parte do próprio Jesus of Suburbia, alegando que ele finalmente conseguiu se desfazer dessa parte de sua vida. Logo depois, ele perde contato com a garota, ao ponto de não conseguir “nem mais se lembrar do seu nome”. Passando mensagens poderosas, o objetivo do álbum é que o ouvinte abra sua mente e enxergue as entrelinhas, já que tudo ali mostrado é na verdade um retrato da situação americana contemporânea, das regras injustamente impostas e dos conflitos desastrosos gerados por decisões erroneamente tomadas, tudo contribuindo para uma alienação do povo. Esse disco também gerou alguns dos mais imortais hits do Green Day, como a propria American Idiot, Boulevard of Broken Dreams e (minha preferida) Wake Me Up When September Ends, apesar de ser um trabalho que vale muito mais a pena se escutado em conjunto e do começo ao fim. Curiosidade: a icônica capa do álbum foi criada a partir do trecho “And she’s holding on my heart like a hand grenade”, da faixa She’s a Rebel.”

Fiquem com o álbum

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s